Prefeito enxerga MDB com duas alas e espera que correligionários não sejam ‘serviçais do governador’

7
Compartilhar

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), acredita que a briga interna no MDB se trata de um divisão da sigla, principalmente entre um grupo que seria governista e faria parte da base do governador Mauro Mendes (DEM) e outra ala autêntica, que seguiria os ideais do partido.

Em entrevista na quinta-feira (18), no bairro Jardim Industriário, o prefeito disse que os deputados e outros filiados do MDB não podem ser “serviçais do governador”. Mesmo querendo ficar distante da briga partidária sobre a presidência do Diretório de Cuiabá, o prefeito ainda assim emitiu sua opinião.

“Não é possível fazer acordo tripudiando a história de Francisco Faiad. Ele contribuiu com Carlos Bezerra, comandou partido, foi leal, companheiro. Não tem sentido agora, por birra, por pura inabilidade, quererem compensar e achar uma saída honrosa para quem traiu, causou uma crise interna desnecessária. Porque o partido venceu as eleições, é questão de mérito o partido ficar na mão de quem for vencedor, representado por Faiad”, comentou o prefeito.

Segundo Emanuel, atualmente existem duas frentes no MDB, uma visivelmente liderada pela deputada Janaina Riva, que é da base do governador Mendes, e outra que seria mais “raiz”, com nomes ligados a Francisco Faiad e Carlos Bezerra. Enquanto isso, o partido fica sem presidente. “É infantilidade. Para tentar servir ao governo do Estado, que é o responsável pela instabilidade, criou-se um cenário de esfacelamento dentro do partido”, conclui.

POR OLHAR DIRETO

Compartilhar