MT precisa de ajuda da União para manter UTIs da Covid-19: “sozinho a gente não aguenta”

4
Compartilhar

O secretário de Estado de Fazenda, Rogério Gallo, afirmou que o estado de Mato Grosso não conseguirá, sozinho, manter todas as Unidades de Terapia Intensiva (UTI) criadas durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Segundo ele, caso a segunda onda chegue a MT, será preciso ter apoio da União.

“Nós precisamos do apoio do Governo Federal, porque essa é uma despesa permanente e nós precisamos de fato que o Governo Federal olhe para o país, verifique aquilo que é necessário manter. Nós tivemos uma boa interiorização da estrutura hospitalar, com a criação de UTIs em locais que já demandavam UTIs. Para isso o SUS é tripartite, ele depende de recursos da união, dos estados e dos municípios. O estado está pronto para dar sua parte, mas sozinho a gente não aguenta, a gente precisa que a união entre também”, afirmou Gallo na última sexta-feira (20), durante lançamento da nova ala da Penitenciária Central do Estado (PCE-MT).

O Estado de Mato Grosso encerrará o ano com um superávit na receita. Segundo Rogério Gallo, o Governo irá apoiar as medidas do Governo Federal, na aquisição da vacina, mas que se for necessário, já há recursos disponíveis para a aquisição da vacina pelo próprio Estado. Ele reforçou, no entanto, que ainda é necessário que a população mantenha os cuidados para que a situação não chegue ao mesmo nível de anteriormente.

Atualmente, há 135 internações em UTIs públicas e 128 em enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 33,50% para UTIs adulto e em 15% para enfermarias adulto. Diante da queda na ocupação, o Estado já começou a planejar o remanejamento para que se volte a realizar cirurgias eletivas. Caso haja uma segunda onda, no entanto, isso deverá ser suspenso.

POR OLHAR DIRETO
Compartilhar