Max Russi critica concessionária e sugere suspensão do pedágio na BR-163

8
Compartilhar

DA REDAÇÃO

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB), cobrou providências do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) quanto aos problemas enfrentados pelos motoristas em trechos de duas rodovias federais de Mato Grosso. Na sessão plenária desta quarta-feira (09), o parlamentar chegou a cogitar o pedido de suspenção da cobrança de pedágio na BR-163. Já na BR-364, reforçou o pedido para a implantação de áreas de escape na Serra de São Vicente, entre Cuiabá e Jaciara.

Max Russi disse que esteve, no último fim de semana, no trecho entre Posto Gil, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde. Ele confirmou as dificuldades de quem trafega pela BR e recebeu diversas cobranças quanto às poucas condições de segurança na pista.

“No último fim de semana eu estive em Nova Mutum e o que se vê é uma ‘BR’ que cobra pedágio, com acostamento altíssimo, filas e filas de caminhões. Há insegurança quanto a acidentes que acontecem por toda a rodovia e esse é um risco muito grande, aos que trafegam por lá. Nós não podemos admitir que essa cobrança continue e não seja oferecida a estrutura necessária”, argumentou.

O deputado lembrou que a manutenção das pistas, que estão sob a concessão da empresa Rota Oeste, é de responsabilidade da União, até por isso propôs a intervenção da bancada federal.

“Eu quero pedir um apoio dos nossos senadores, da bancada federal. Se continuar da forma que está, que não se cobre então o pedágio. A empresa que ganhou o pedágio, a Rota Oeste, não fez a sua obrigação. Não fez aquilo que se comprometeu a fazer. Também quero encaminhar uma cobrança, junto aos deputados, ao Ministério Público Federal, para que entre e atue neste processo”, acrescentou.

Cobrança antiga

O deputado Max Russi voltou a cobrar a construção de áreas de escape na BR-364, região da Serra de São Vicente, entre Cuiabá e Jaciara. O trecho é conhecido pelos altos índices de acidentes, principalmente evolvendo veículos pesados.

“Tem acontecido acidentes ali constantemente, mas infelizmente não se faz algo barato, simples, fácil. Eu não consigo entender porque que a Rota Oeste e porque o Dnit não fazem algo tão simples”, questionou.

Russi alega que a cobrança vem sendo feita desde o seu mandato passado, no entanto, mesmo com a pista totalmente duplicada, nenhuma providência foi tomada até o momento. “Já cobrei desde o mandato passado e novamente venho a esta tribuna fazer essa cobrança”, reforçou.

A área de escape serve de “refúgio” para os veículos de grande porte que não desaceleram em descidas. Ela pode ser composta de argila expandida, que faz com que os pneus dos veículos afundem, possibilitando a redução da velocidade em um curto espaço de tempo.

Compartilhar