Discussão sobre o VLT ou BRT virou briga política, diz deputado

8
Compartilhar

O deputado estadual João Batista (Pros) definiu como briga política o embate entre o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) e o governador Mauro Mendes (DEM) em relação a troca do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT) para o Ônibus de Trânsito Rápido (BRT em inglês).

“Imagino que a população pode ficar mais de dez anos sem nenhum dos modais a depender dessa briga política. Agora, o que nós vemos aqui, esse racha entre o governador e o prefeito da maior cidade do estado só traz prejuízos”, disse nesta sexta-feira (12), em entrevista à rádio CBN Cuiabá.

O deputado defendeu aprovação de um plebiscito, sugerido por Emanuel, para que a população decida. Batista relembra que o VLT já consumiu mais de R$ 2 bilhões para a construção da obra, mas que está paralisada por ações judiciais.

Sem entrar em polêmica, o deputado enfatizou que seria um retrocesso a mudança para o BRT, apesar do baixo custo que o modal apresenta para conclusão.

“Tanto um quanto o outro traz benefícios enormes para a população de Cuiabá e de Várzea Grande. Existe uma parcela da população que defende o VLT, outras o BRT, mas também aquelas que querem apenas um transporte público de qualidade. Eu defendo a participação da sociedade na escolha”.

Mudança do modal

Em dezembro do ano passado, o governador Mauro Mendes (DEM) anunciou a troca do VLT para o BRT. Segundo Mendes, a ordem de serviço do BRT prevê a conclusão da obra em até 24 meses pelo custo de R$ 430 milhões, com a aquisição de 54 ônibus elétricos.

O governador afirma que a troca é mais viável e econômica ao Estado. De acordo com os dados levantados pelo Executivo, o BRT terá a tarifa estimada em R$ 3,04, enquanto o VLT deve chegar à população por R$ 5,28, com um custo de R$ 763 milhões.

Após a medida, o prefeito ingressou com ações na Justiça buscando impedir a mudança. Segundo Emanuel, o Município deveria ter participado das discussões. Com isso, propôs um plebiscito que deverá ser discutido na Assembleia Legislativa.

POR HYPER NOTÍCIAS.

Compartilhar